Sem categoria

PROJETO PILOTO – Mapeamento de Recursos Humanos e cursos em Tecnologia da Informação e Comunicação no Município de Petrópolis

By 14 de março de 2014 No Comments

 

PROJETO PILOTO

Mapeamento de Recursos Humanos e cursos em Tecnologia da Informação e Comunicação no Município de Petrópolis

 

 

SUMÁRIO

 

1 – INTRODUÇÃO

2 – JUSTIFICATIVA

3 – OBJETIVO

4 – METODOLOGIA

5 – RESULTADOS ESPERADOS

6 – OBJETIVOS FUTUROS

7 – DESAFIOS E LIMITAÇÕES

8 – CRONOGRAMA

9 – EQUIPE TÉCNICA

10 – DESEMBOLSO

11 – REFERENCIAS

 

 

1 – INTRODUÇÃO

 

As transformações da economia ao longo do tempo constituíram um mercado mais exigente, concorrente e competitivo. Para adequar-se às exigências de mercado, as organizações estão cada vez mais investindo em capacitação e aprimoramento de seus processos, garantindo maior agilidade e flexibilidade. Isso envolve investimentos em capacitação de mão-de-obra ou outros mais estratégicos, como tecnologia e inovação (ASSUNÇÃO e MENDES, 2000; MARTINS, 2001; ARAÚJO, 2002; MARIOTTI, 1999 apud PIERIOZZI JUNIOR 2006).

 

A falta de mão-de-obra qualificada para suprir o setor tecnológico tem sido constante noticiada e as projeções apontam que o déficit brasileiro de trabalhadores em 2013 será de 71 mil; em 2020, segundo a reportagem de Dreher (2010), a demanda interna pedirá outros 450 mil profissionais. Nos próximos dez anos, a meta do mercado nacional de TIC é tornar-se o 4º maior do mundo (atualmente ocupa a 8ª colocação); o valor das exportações de serviços deverá subir dos atuais US$ 3 bilhões para US$ 20 bilhões em 2020, resultando na necessidade de contratar 300 mil profissionais (DREHER, 2010). Seguindo a perspectiva de Sgobbi (2011), para atingir a meta de US$ 20 bilhões em exportações, o país precisa capacitar 750 mil profissionais até 2020.

 

A região serrana do Estado do Rio de Janeiro, e em especial a cidade de Petrópolis, vem ao longo das duas últimas décadas se consolidando como uma região vocacionada para o desenvolvimento de uma nova economia, baseada no conhecimento e na inovação.

Pelas suas características regionais, fatores geográficos, localização, estrutura viária e urbana, aspectos sociais e culturais, a vocação econômica da região serrana, foi gradativamente se consolidando em torno e a partir da indústria de alta tecnologia.

 

O setor de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) apresenta relevante importância para o Estado do Rio de Janeiro, para região serrana fluminense e em especial para o Município de Petrópolis. No entanto, apesar de muito comentada a crescente defasagem de profissionais para o setor de tecnologia e a constante falta de mão-de-obra qualificada para suprir este setor, observa-se a completa ausência de dados concretos da demanda ou carência de recursos humanos na região de Petrópolis.

 

Nesse sentido, o presente projeto ressalta a necessidade de mapeamento da demanda por recursos humanos para confronta-los com a oferta existente de cursos de capacitação para o setor local de Tecnologia da Informação e Comunicação, a fim de obter subsídios que permitam ações coordenadas de formação profissional com vistas à reduzir a atual carência por profissionais qualificados e especializados, hoje considerado de forma genérica um dos grandes obstáculos a continuidade do crescimento do setor em diferentes regiões do mundo.

 

2 – JUSTIFICATIVA

 

Para que um programa de capacitação e qualificação tenha o resultado esperado é necessário preliminarmente diagnosticar a necessidade ou carência da mão de obra demandada. É necessário conhecer a realidade da cidade e encontrar um equilíbrio entre as necessidades da economia emergente baseada em empresas de tecnologia e a capacidade de geração de mão-de-obra.

Gil (1994) ressalta que quando se trata de capacitação, qualificação ou treinamento de mão de obra, a primeira etapa corresponde ao diagnóstico da carência de mão de obra de qualquer segmento econômico, para na sequencia determinarem-se ações concretas e planos de trabalho.

 

Este projeto é, antes de tudo, um trabalho de pesquisa que se inicia com a coleta de informações e se completa com a análise das informações coligidas. E é precisamente nesse momento, o da análise, que se procede à seleção dos  dados, separando-se, prioritariamente, aqueles que correspondem a necessidades mais prementes (que serão atendidas prontamente) daqueles cujo atendimento não requeira igual urgência.

 

O presente projeto se justifica pelo fato do diagnostico se traduzir num instrumento fundamental para a elaboração e implantação de políticas e estratégias – de entidades públicas e privadas – para adoção de medidas corretivas ou preventivas que visem uma melhoria na qualidade e oferta de mão de obra para o setor tecnológico na região.

 

Este mapeamento deverá retratar o quadro de necessidades da cidade de Petrópolis para área de TIC, não devendo ser interpretado de forma meramente retrospectiva, mas, sobretudo prospectiva.

 

É preciso entender o mapeamento da demanda em RH deste setor como algo muito ligado a objetivos futuros e conceber as ações de capacitação e qualificação do setor na região como uma atividade preventiva que tem o papel de facilitador do desenvolvimento regional, ancorado em empresas de base tecnológica.

 

3 – OBJETIVO

 

O objetivo geral do projeto é o mapeamento dos recursos humanos relativos ao setor de TIC disponíveis em Petrópolis.

 

O objetivo específico é o mapeamento das carreiras, habilidades e competências hoje existentes entre os profissionais que atuam no setor tecnológico do Município de Petrópolis.

 

Pretende-se identificar os números de profissionais empregados, a demanda reprimida do setor, o perfil e a qualificação técnica dos profissionais buscados pelas empresas, os cargos, as habilidades e cursos de maior demanda bem como quantos empregos serão gerados no futuro.

 

 

4 – METODOLOGIA

 

O projeto esta estruturado a partir de dois eixos:

 

a)    Uma coleta de dados que será conduzida via internet com a utilização de um questionário eletrônico que enfocará a necessidade de contratação de profissionais pelas empresas. O público alvo deste questionário são empresas da área de TIC que atuam nos segmentos de software, hardware e serviços de tecnologia de informação.

 

Para a coleta de dados serão utilizados formulários eletrônicos inseridos na página do PTRS, visando colher informações a partir de uma padronização das habilidades e competências necessárias para a carreira de TIC, identificar as necessidades relativas aos cargos, funções e habilidades dos profissionais de TIC.

As empresas deverão informar, por exemplo, sobre o número de funcionários que a empresa apresenta (até o dia de preenchimento), as vagas em aberto naquele momento e as vagas necessárias previstas para o período de um (1) e quatro (4) anos, bem como as vagas mais demandadas.

 

a)    Pesquisa, por meio do Ministério de Educação, tendo em vista mapear os cursos associados à área de TIC que formam recursos humanos para o setor conforme os diferentes níveis de ensino.[1]

 

Para a análise dos resultados extraídos dos questionários eletrônicos, no tocante à necessidade de contratação de profissionais pelas empresas será utilizada a metodologia quantitativa confrontando-se esses resultados com a oferta existente de cursos de capacitação para o setor local de Tecnologia da Informação e Comunicação.

Assim, as lacunas identificadas entre o capital intelectual necessário e o instalado permitirão a tomada de decisão quanto à estratégias de captação e capacitação de recursos humanos para o setor.

 

 

5 – RESULTADOS ESPERADOS

 

Após a análise dos dados coletados tendo-se em vista as necessidades atuais (2014) e necessidades futuras (anos de 2015 e 2016) e confrontando a demanda de mão de obra do setor tecnológico com a oferta de cursos na área de tecnologia da informação e comunicação, pretende-se elaborar e implantar políticas e estratégias, a partir de propostas baseadas em projetos anuais que  atendam a necessidade de formação de mão de obra do setor tecnológico de Petrópolis.

 

Pretende-se, ainda, divulgar e publicar o resultado da pesquisa em eventos, artigos científicos e livro.

 

 

6 – OBJETIVOS FUTUROS

 

a)    A partir dos resultados gerados, propor projetos e ações que atendam a necessidade de formação de mão de obra do setor tecnológico de Petrópolis, incluindo um maior estreitamento das relações com as instituições de ensino responsáveis pela formação dos jovens;
 
b)    Dar continuidade ao projeto de mapeamento de RH em TIC em Petrópolis, ampliando seu raio de atuação  para outros municípios da região serrana por meio de parcerias com as Prefeituras Municipais e os Núcleos tecnológicos regionais;
 
c)    Estimular a adesão, ainda que gradativa, de todas as empresas envolvidas no setor de TIC.

 

[1] Para o mapeamento dos cursos serão considerados: 1) cursos de graduação, 2) cursos de pós-graduação (em nível de especialização, mestrado e doutorado), 3) cursos técnicos, 4) certificações e, 5) outros cursos na área de TIC.

 
7 – DESAFIOS E LIMITAÇÕES

 

a)    Definição da instituição que vai ancorar o projeto, a instituição responsável pelo seu desenvolvimento e a instituição financiadora.[2]

 
b)    Importância da adesão de todas as empresas envolvidas no setor de TIC ao projeto, o que requer um amplo trabalho de sensibilização dos gestores das empresas;
 
c) Inconsistência das bases de dados oficiais.[3]
 



 [2] Propõe-se que o projeto seja incorporado ao portfólio de projetos da Secretaria de Ciência e Tecnologia do Município de Petrópolis, desenvolvido no âmbito do convenio LNCC/FAETEC, como parte integrante do Plano de Trabalho do CPTI/FAETERJ, sendo a FAETERJ Petrópolis a instituição executora do Projeto e a FIRJAN a instituição financiadora no âmbito do Programa de Apoio às Indústrias de Tecnologia de Informação incorporando este projeto piloto ao seu Plano Ação 2014.

 

________________________________________________________

executora do Projeto e a FIRJAN a instituição financiadora no âmbito do Programa de Apoio às Indústrias de Tecnologia de Informação incorporando este projeto piloto ao seu Plano Ação 2014.

 

[3]  Uma das limitações encontradas pelo presente projeto refere-se à dificuldade em conhecer o número exato de empresas de TIC instaladas em Petrópolis. Em estudo desenvolvido por Fátima Ribeiro (2013)para a FIRJAN – regional Serrana, tratando-se exclusivamente da cadeia de TIC do Município de Petrópolis, a autora encontrou dificuldades para a definição inequívoca desse universo de empresas. Fátima Ribeiro apurou no ano de 2013 que inexiste um cadastro único, completo, permanente e atualizado das empresas do setor de TIC que atuam em Petrópolis e após realizar uma análise minuciosa dos dados obtidos pela Junta Comercial do Estado de Santa Catarina (JUCESC), de acordo com o Código de Classificação Nacional de Empresas (CNAE) afirma em sua pesquisa que em Petrópolis  o número de empresas atuantes no setor de TIC é de 725 (ano 2013).

 

8 – CRONOGRAMA

 

Mês/Atividade 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12
AP e FP

X

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

DR

X

X

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

E

 

X

X

X

X

X

 

 

 

 

 

 

C

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

I

 

 

 

 

X

X

 

 

 

 

 

X

L

 

 

 

 

X

X

 

 

 

 

 

 

D

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

X

FCD

 

 

 

 

 

 

 

 

X

 

 

 

A

 

 

 

 

X

X

X

X

X

X

X

 

DR

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

X

 

Legenda das atividades:

AP: Abertura do projeto

FP: Formatação do Projeto

DR: Definição de requisitos

E: Especificação

C: Construção

I: implantação

L: Lançamento Oficial do Projeto (lançamento do questionário on line)

D: Estratégia de Divulgação e sensibilização para adesão das empresas

FCD: Finalização do processo de coleta de dados

A: Análise dos Resultados

 

DR: Divulgação dos Resultados e objetivos futuros

 

No mês 06 haverá uma demonstração do estado atual do projeto.

 

9 – EQUIPE TÉCNICA
 

Por se tratar de projeto de pesquisa de levantamento e mapeamento de demandas de formação humana o projeto requer Equipe Multidisciplinar que agregue conhecimentos e experiências combinados. Neste sentido, propomos.

 

Bolsas:

–       02 bolsas TCT 5 (20 / 40 horas)  – valor R$ 2.100,00 [4,5]

Especificação:
 
01 Coordenador Geral: profissional com Mestrado, da área das ciências humanas, com experiência na gestão de projetos de pesquisa.  O Coordenador Geral será o responsável pela gestão do projeto e interface dos atores institucionais.
 
01 Coordenador Técnico: profissional com Mestrado, da área de Tecnologia da Informação, com experiência em na gestão de projetos de pesquisa e experiência na gestão de grupos de desenvolvedores.

 

–       10 bolsas TCT 2 (20 / 40 horas)  – Valor  R$ 920,00
 
Especificação:
 
Alunos de graduação da FAETERJ Petrópolis, sem reprovações em seu histórico escolar e sem vínculo empregatício, com dedicação de 20 a 40

horas semanais às atividades de apoio ao projeto de pesquisa, sem que haja prejuízo em seu desempenho acadêmico. [6]

 

[4] O valor da Bolsa a ser paga será proporcional ao número de horas semanais dedicadas às atividades de apoio ao projeto de pesquisa.

[5] Os valores aqui utilizados correspondem aos valores de bolsa concedidos pela FAPERJ, ano de referencia 2013.

[6] O valor da Bolsa a ser paga será proporcional ao número de horas semanais dedicadas às atividades de apoio ao projeto de pesquisa.

 

 

10 – ORÇAMENTO E DESEMBOLSO (a definir)
 

a)    Bolsas:

2 coordenadores (Grau Mestrado):

2.100 x 12 = 25.200,00 (por coordenador)

2 coordenadores x 12 meses = 50.400,00

 

08 alunos de graduação

920 x 12= 11.040 (por bolsista)

10 Bolsistas x 12 meses = 110.400,00

 

Total de Bolsas: 138.720,00

 

b) Material Permanente e de custeio[7]:
 
b.1. Material Permanente:

  • Computador Intel i5, 4GbRAM, 500GbHD, gravador DVD, mouse, teclado, gabinete e monitor 21”: preço unitário R$2.429,00;
    • Notebook com processador Intel Core I7, no mínimo 8 GB de RAM, HD 1 TB: preço unitário R$2.899,00;

 

  • HD externo de 1TB, para manter backup das informações: preço unitário R$ 270,00;
  • Impressora multifuncional laser colorida Lexmark: preço unitário R$ 1.699,00.

Quantidade para o projeto: 01 impressora, 02 computadores e 01 notebook.

            Custo total de material permanente: R$ 7.297,00
 
b.2. Material de consumo

Dez resmas de papel A4 branco, para a impressão de manuais e documentos; Três conjuntos com quatro cartuchos sendo cada dos conjuntos com as quatro cores CMYK;

     

  • Papel: 10x R$ 12,90 = R$ 129,00;
  • Toner: 03 conjuntos de 04 cartuchos R$ 859,60 = R$ 2.578,80;

Total Custeio: R$ 2.707,80

Total de Permanente e Custeio: R$ 10.004,80

 

c) instalações de laboratório (energia, telefone), mobiliário, conexão Giga Bit Internet fornecidos pelo LNCC/FAETERJ Petrópolis.

 

Total Geral: 148.724,80

[7] Fonte: Evotech Com. E Serv. LTDA CNPJ 09 358 905/0001-02, Barão do Bom Retiro 2266/201, Grajaú, RJ. Tel. 21 3717 5667, contato: contato@evotech.com.br.

 

11 – REFERENCIAS

 

ABREU, A. F.; MACHADO, C. R.; SANTOS, D. S.; TRZECIAK, D. S.; POLACINSKI, É.; SCOTINI, E.; SCHENATTO, F. J. A.; ABREU, P. F.; ROTHER, R. G. Mapeamento da cadeia de tecnologia da informação e comunicação de Santa Catarina. 2008.

CENSO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR. Disponível em:  <http://www.inep.gov.br/download/superior/censo/2009/resumo_tecnico2009.pdf>. Acesso em 04 fevereiro de 2014.

DUARTE, A. Formação de nível superior na área das TIC: evolução da oferta e procura. Actas do Encontro Contextos Educativos na Sociedade Contemporânea. 2ª Ed. V. 2, 2009.

DUARTE, A.; RAMOS, M.; OLIVEIRA, L. Perfis Profissionais na área das TIC e evolução do emprego. VI Congresso Português de Sociologia. In: Anais… VI Congresso Português de Sociologia. 2008.

MAPEAMENTO DE RECURSOS HUMANOS E CURSOS DE TIC | ACATE Acesso em 04 fevereiro de 2014. http://www.pmf.sc.gov.br/arquivos/documentos/pdf/31_05_2011_13.46.35.3a27c29561cf5669742bf58147698b9e.pdf

SGOBBI, S. 2011. Caso de sucesso: para atingir meta de US$ 20 bilhões em exportações, País precisa capacitar cerca de 750 mil profissionais até 2020. Disponível em: <http://www.ticmercado.com.br/ticmercado.php?edi=96>. Acesso em 30 de janeiro de 2014.

Sistema e-mec. Disponível em: <http://emec.mec.gov.br/>. Acesso em 30 de janeiro 2014. SOFTWARE E SERVIÇOS DE TI: A indústria brasileira em perspectiva – n.1 / Observatório SOFTEX. – Campinas: [s.n.], 2009.

Leave a Reply