Noticias

LNCC inaugura o Supercomputador Santo Dumont em Petrópolis

By 4 de dezembro de 2015 No Comments

O Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC/MCTI) inaugura, no dia 14 de dezembro, em sua sede, em Petrópolis/RJ, o supercomputador  Santos Dumont, considerado o maior da América Latina.  Para a cerimônia de inauguração está prevista a presença de representantes do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Governo do Estado do Rio de Janeiro, Prefeitura de Petrópolis e demais autoridades.
 
O supercomputador está instalado em dois contêineres, que unificados receberam uma cobertura que representa o chapéu de Santos Dumont. No interior da instalação, encontra-se a famosa frase de Santos Dumont: “o homem há de voar”. Por ser petaflópico, ou seja, realiza até 10 operações de ponto flutuante por segundo, equivalente a operações de somas e subtrações, simbolicamente o supercomputador “voa”.
 
A Rede Nacional de Pesquisa (RNP) integrará o supercomputador ao SINAPAD (Sistema Nacional de Processamento de Alto Desempenho) − uma rede de centros de computação de alto desempenho distribuídos pelo Brasil, instituída pelo MCTI e coordenada pelo LNCC.
 
O equipamento foi desenvolvido na França e adquirido da empresa francesa ATOS/BULL faz parte do Programa Estratégico de Software e Serviços de Tecnologia da Informação (TI MAIOR), do Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), por meio do acordo Brasil/França em Computação de Alto Desempenho.Os recursos para aquisição, instalação e operação do sistema no primeiro ano foram alocados pelo MCTI através do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (R$60.000.000) via FINEP.
 
O supercomputador será útil para diversas áreas e deve impulsionar ainda mais o setor de pesquisa. Alguns segmentos da nossa economia, como os de petróleo e gás, nanotecnologia, aeronáutica, segurança cibernética e serviços de análise de riscos financeiros valem-se a algum tempo da supercomputação, para: localização e prospecção de jazidas; construção de moléculas para o desenvolvimento de nanotecnologias, incluindo a fabricação de novos fármacos; desenvolvimento de sistemas seguros de encriptação e decodificação; e simulação do comportamento aerodinâmico de aeropartes e sistemas de navegação, etc. Outras aplicações mais evidentes da supercomputação, em escalas de processamento cada vez mais rápidas, incluem-se sua utilização pelas indústrias automobilística e aeronáutica, para aumentar a eficiência e a segurança de peças, componentes e softwares embarcados; pela mencionada indústria do petróleo, com o incremento exponencial da possibilidade de descobrimento de novas jazidas; pela indústria farmacêutica, para testar, através da supercomputação, a dinâmica de drogas e moléculas; pelo setor de serviços financeiros; bancos de dados, algoritmos e cálculos atuariais complexos; e teste e resistência de novos materiais, por exemplo. No caso do Estado, a supercomputação pode beneficiar sensivelmente os serviços de governo eletrônico, saúde e educação; ser utilizada para simular o clima do futuro; para o alerta em tempo real de desastres naturais; para monitoramento e otimização de sistemas viários e de transportes; e, na área de segurança, para serviços de criptografia muito mais rápidos, avançados, seguros e eficientes, para evitar ataques cibernéticos e interceptação de telecomunicações. Na pesquisa básica, são inúmeras as aplicações no setor de supercomputação científica, incluindo, por exemplo, a simulação de modelos cosmológicos de expansão do universo e modelagem de futuros cenários climáticos produzidos pelo aquecimento global.
 
As regras para submissão de propostas para uso em pesquisa do Santos Dumont estão disponíveis na página http://sdumont.lncc.br/. O novo computador deve ser usado para atender as necessidades de projetos de pesquisa que necessitem de computação de alto desempenho. Os projetos serão analisados por um comitê constituído por pesquisadores do LNCC e externos atendendo critérios de mérito técnico/científico e computacional (aplicação deve demonstrar escalabilidade).

Leave a Reply