Noticias

Instituições se unem para criar Parque Tecnológico em Petrópolis

By 23 de janeiro de 2013 No Comments

Com intuito de fomentar o crescimento científico e tecnológico na Região Serrana, o Movimento Petrópolis-Tecnópolis (MPT) idealizou o PARQUE TECNOLÓGICO DA REGIÃO SERRANA – PTRS, que tem a missão de contribuir para a geração de riqueza e o desenvolvimento regional sustentável, atraindo, fixando e apoiando a qualificação de instituições e empresas de base tecnológica. A implantação do projeto será realizada entre 2013 e 2017. Ao todo, serão investidos cerca de R$ 21 milhões.

 

O parque, que possuirá cerca de 30 mil m², será dividido em dois blocos. No terreno 1, localizado em frente ao Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC), no bairro Quitandinha, com 12 mil m², está prevista a construção de uma Universidade Federal e a expansão do SINAPAD. Já no terreno 2, com cerca de 19 mil m², situado ao lado do palácio Quitandinha, serão construídos os módulos tecnológicos – que também abrigará um Museu da Ciência e Tecnologia.

 

No Parque Tecnológico 1, está prevista a construção de uma Universidade Federal e a expansão do SINAPAD.



No Parque Tecnológico 2 serão construídos os módulos tecnológicos e abrigará o Museu da Ciência e Tecnologia.

 

Além de proporcionar avanços na infraestrutura e no setor de tecnologia do município, o principal objetivo do empreendimento é promover a integração entre as atividades de pesquisa desenvolvidas pelas instituições e empresas de base tecnológica, organizadas no âmbito do Movimento Petrópolis-Tecnópolis. E, sobretudo, atender as instituições do setor, entidades governamentais de nível municipal, estadual e federal, e empresas de diferentes portes, cujas atividades se relacionam com as competências tecnológicas das instituições parceiras do PPT.

 

O parque tem como pano de fundo o modelo da Hélice Tríplice (Etzkowitz, 2008), ou seja, para cada um desses segmentos de mercado, o Parque oferecerá uma teoria de valor diferente. No caso das instituições, o projeto dará a possibilidade do incremento das atividades de ensino e pesquisa, acesso às novas fontes de recursos para essas atividades, e oportunidade de formação mais completa para os alunos.

 

Já no caso de empresas, o PTRS disponibilizará o acesso à infraestrutura de P&D do espaço, possibilitando o desenvolvimento de competências tecnológicas únicas e conferem vantagens competitivas, além de gerar maior visibilidade no mercado.

 

O parque tecnológico – que será vinculado ao LNCC – terá como foco principal os seguintes pilares: computação de alto desempenho; computação científica aplicada ao setor de saúde, óleo & gás; e testes de software.

 

Além do LNCC, o parque conta com importantes parcerias que estão diretamente relacionadas aos segmentos, entre elas, as instituições:

 

– MIC (Microsoft Innovation Center)

– C2ES (Centro de Competência em Engenharia de SW)

– FIRJAN

– SEBRAE/RJ

– Prefeitura Municipal de Petrópolis

– UCP (Universidade Católica de Petrópolis)

– UNESA (Universidade Estácio de Sá)

– FASE (Faculdade Arthur Sa Earp)

– CEFET

– FIOCRUZ

– FAETERJ

– FUNPAT (Fundação Parque de Alta Tecnologia de Petrópolis)

– SEDEIS (Secretaria Estadual de Desenvolvimento Econômico)

– SECTI (Secretaria Estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação)

– GET (Grupo de Empresas de Tecnologia de Petrópolis)

– CPTI (Centro de Educação Profissional em Tecnologia da Informação)

– IST – Instituto Superior de Tecnologia

– INT – Instituto Nacional de Tecnologia

– SENAI

Além de empresas como a Alterdata, Excellion, Orange, T2M, Info4, GE Celma, Provider.

 

O que é o Movimento Petrópolis Tecnópolis?

 

O Movimento surgiu como uma resposta à decadência econômica vivida pelo município ao longo da década de 80. Tradicionalmente atuante na indústria têxtil, a Cidade Imperial vivenciou o esvaziamento de sua base industrial, o que motivou as lideranças do município a buscarem alternativas de desenvolvimento.

 

A ideia de criar um tecnopólo ganhou força na segunda metade de década de 80 com a criação do curso de Ciência da Computação da Universidade Católica de Petrópolis (UCP) e com a criação da Fundação Parque de Alta Tecnologia de Petrópolis (Funpat) cujo objetivo é o fomento do científico e tecnológico da região serrana.

 

Desde então, o Movimento vem evoluindo na atração de novas empresas e projetos científicos para a região. Paralelamente, o LNCC trabalha consolidando suas atividades de pesquisa no município. O Parque Petrópolis Tecnópolis vem a ser mais uma iniciativa dentro da trajetória de duas décadas promovendo o desenvolvimento econômico e social da região de Petrópolis e redondezas a partir da tecnologia e da inovação.

 

Leave a Reply